Posts Tagged ‘3.0’

Aventura alfista no fim de semana.

23/11/2010

Quer melhor desculpa pra pegar a estrada do que ir ver uma Alfa para um amigo?

Pois bem, almoçamos e fomos à Bento ver uma bela 164 24V azul automática para um amigo de Campinas, que, desde que foi levado ao aeroporto de Porto Alegre em minha 12V não parou mais de relembrar sua propria 24V e….. pensar bobagem. Não existe ex-alfista. Existe quem tenha tido alfas e não se infectou com o virus. Quem virou alfista, parece que não tem cura, ahahahah

Ligação para o dono da loja, o mesmo diz que está num almoço mas que pode abrir a loja pra gente. Marcamos para proximo das 16:00hs.

15:35 estávamos no pórtico da cidade, esperando o Joel. Em dois minutos ele estaciona ao lado do Punto!

Um imaculado Charger R/T que ficamos ipnotizados e babando….Que recepção! Fomos atrás daquele belo muscle cheio de veneno gorgulhandos seus escapamentos inox atravessar a cidade, passar pelo movimento do centro (tipico de cidade do interior, cheio de carro rebaixado e carros de 10, 20 anos imaculados).

Sensacional. Chegamos numa bela loja cheio de carros interessantes, e em lugar de destaque, sob um toldo, lá estava ela, a senhora 164.

Uma das mais belas 164 que vi nos ultimos tempos, realmente bem cuidada e com baixa km, coisa rara hoje em dia. Dei uma volta, tirei 78 fotos, andamos no carro, mais fotos, despedida.

Para agradar aos amigos que foram junto, um passeio na Vinícola Aurora, no centro da cidade, com direito à degustação de vinhos.
Para terminar com chave de ouro, enquando entravamos na vinícola, passa uma 164 24V branca, com uma familia dentro passeando no feriado. Imaculada!!!!!!!.

Uhm… aquela que estava à venda tempos atrás, placas ICX 7575….. babei até o carro desaparecer na avenida..Linda!

Abraços

A mais impressionante 156 já feita

29/01/2010

Em 2000 o construtor italiano Scuderia Coloni (http://www.scuderiacoloni.com ) fez este protótipo único para promover o Grupo E de Formula Livre da FIA. O carro chamava-se Coloni S1 Alfa Romeo 156, ou 156 MAXITURISMO.

Esta unidade tem chassi tubular e carroceria de fibra de carbono, com um câmbio sequencial de 6 marchas Hewland/Coloni e motor central Alfa Romeo V6 3.0 24V de produção, preparado para render 440hp.

Para comparação, as 156 DTM possuíam entrer 250 e 306hp

DESEMPENHO
Com um peso entre 800 e 900kg, era capaz de alcançar os 310km/h.

No circuito de Jamara (Espanha), pilotado por Luis Villamil y Antonio Garcia em uma pista fria e com carro sem regulagens estudadas, marcou 1:34s. Para comparação, naquele ano a pole position na categoria FIA GT, o Chrysler Viper de Larbe havia feito 1:30s

Em um teste no circuito de Magione, fez um tempo de 1:11s, quando os F3000 faziam tempos ao redor de 1:04s, o que mostra claramente o potencial deste protótipo com o mítico V6 Alfa Romeo.

A MAXITURISMO

O campeonato Grupo E, ou Maxiturismo foi a idéia de uma stock car européia onde todos os carros correriam com chassi desenvolvido pela Coloni, e cada marca colocaria sua própria carroceria e motorização. A idéia era criar um campeonato de turismo de alto nível, mas barato e com carros muito competitivos entre si.

No principio muitos fabricantes mostraram interesse, mas logo a interesse diminuiu e a idéia Infelizmente não prosperou. O preço total do carro rondaria os EUR 300.000.

QUE FIM LEVOU?

O carro foi então vendido para a Holanda, onde disputou corridas locais, e hoje se encontra à venda: http://www.mroks.com/

Para quem sempre quis ter uma PROCAR (que está no museu da Alfa Romeo) essa é uma boa oportunidade na não? Preço sob consulta……. 🙂

Alfa Romeo 164 – superlativa paixão

19/05/2009

20090328_SCHICO_BRUGAS_ 076

Como o tempo passa!

Há poucos anos comprávamos uma 4Rodas festejando o retorno dos carros importados com uma 164 1991/92 vermelha na capa. Em 94 e 95 elas realmente estavam no auge, vieram ao todo 6277 delas.

Mas, como bem falou o amigo Mauro Mendonça, “uma 164 1995 está virando debutante…ano que vem vamos ter bailes para as 164… “. O legal é ver que muitas vão permanecer vivas e originais pelo empenho de entusiastas apaixonados. Cuidaremos das nossas 164, como poucos fizeram com as 2300. E teremos um futuro com carros confiáveis e representando o que elas realmente são. O futuro onde não será impossível se ter um carro antigo, importado, e viável para viagens e encontros.

Como todo carro de idade, elas sempre terão alguma coisa para fazer, rodando ou paradas. A minha, uma 12v 1995 que acabou de comemorar seus 100.000km e ilustra essa crônica, está com bomba da DH chorando, painel digital com relóginho falhando, e volante esperando couro novo. Depois que eu arrumar tudo isso, alguma outra coisinha vai lhe avisar que o carro que estreou no início da tecnologia da eletrônica embarcada (quanto mais coisa para mexer, mais coisa para mexer né não?). Falando nisso, jamais vi carro que reclama mais de ficar parada que uma 164. Deixe a sua 30 dias na garagem e ela vai sair cheia de enjôos e barulhos esquisitos só para deixar você nervoso. Passa logo, mas decididamente ela não é o carrinho obediente que você gostaria…..

O Roberto Nasser incluiu a 164 com muita propriedade na sua lista de futuros clássicos no Brasil. Foi uma mudança de paradigmas e uma renovação do fabricante (num momento particularmente crítico). No Brasi, um marco da abertura das importações, apesar dos tropeços da mãe Fiat.

Mas a aura da 164 permanece: um carro superlativo nos seus extremos. Desliza silenciosamente, “tipo barca”, com a melhor tecnologia do fim da década de 80, um assombro na época, e que ainda impressiona: ar digital num painel extravagantemente cheio de botões, air bag (será que funciona depois de 15 anos?), bancos elétricos, um couro que parece indestrutível, persianas no vidro traseiro, radio toca-fitas escondido sob uma tampa, cambio manual com peso de carro de verdade…… e o cheiro… cheiro de 164.

O legal de ter um carro tão top de linha na sua época, você consegue sentir e possuir, sem muito gasto, um produto feito para os poderosos, um carro que só encontra similares em altos patamares. Isso nenhuma outra Alfa da sua época alcançou. Andar num carro desses, mesmo 15 anos depois, é sentir seu ego massageado por possuir um produto feito para um público seleto e exigente em todo o mundo. Alfa Romeo nunca foi um carro vulgar. E a 164 era o máximo.

Se comparado aos carros 15 anos mais novos, falta uma trava automática das portas, e porta-trecos convenientes para carteira, chaves e celular. O resto, ela é bem atual.

Mas essa viatura vestida elegantemente de Pinninfarina tem seu outro lado, que muitos já ouviram falar, mas que nem tantos sentiram: seu lado besta-fera, seu lado animal, que surge quando é provocada.

Fomos felizardos, recebemos aqui no Brasil somente a topo de linha, destinada aos executivos e bem nascidos, com o motor Alfa Romeo V6, capítulo à parte, endeusado (se isso é possível para um motor) pelo seu comportamento e sonoridade (que varia de um ronco metálico em baixa à um urro em alta (excelente definição do Bellote) e que em 2005 saiu de linha sem deixar um substituto à altura. Obra-prima da casa de Arese

Esse motor de comportamento explosivo não tem na 164 os amortecimentos sonoros e sensoriais que ganhou nas Alfas mais novas (dirija uma 166 e você notará diferença inacreditável). Quando você acelera uma 164, não interessa se 12v ou 24v, pouca coisa consegue acompanhar. Você deixará o transito para trás de uma maneira violenta. Poucos sedãs atuais são capazes de tamanha agressividade, e muitos esportivos ficam intimidados diante da estupidez italiana. Ela passa uma sinfonia de sons culminados por um chiado rasgado do motor em alta rotação. No Brasil, para ter esse motor assim, cru, ou compre uma 164 ou pague 5 vezes mais por uma Spider.

É para isso que ela foi feita: para ser superlativa. Ronronando como carro de luxo ou berrando seu motor esportivo, uma 164 é algo que fascina, apaixona, assusta e recompensa. Você sempre ficará na dúvida de dominou ela, ou se é ela que dominou você….

Eu ainda não descobri, mas esta máquina temperamental me pegou de jeito…… Que carro!

Quer uma? Leia o guia de compras:                                                                       http://www.alfaromeobr.com.br/guiadecompra.php

E escolha entre a 12 e a 24v:                                                        http://www.alfaromeobr.com.br/diferencas16412V24VSuper.php

Como presente para os amigos, os vídeos magníficos (e incrivelmente antigos) do making of e pré-produção das 164.

Abraços,
Renato Cunha